• Carlos Rio

A Raposa e a Águia-real

Como já tenho dito a Raposa é um dos animais que mais me fascina! Há qualquer coisa neste animal que me atrai enquanto fotógrafo naturalista. Há estudos feitos em Espanha que contrariam alguns argumentos de certos "caçadores" para justificarem a caça à Raposa, por exemplo, o de que desequilibram o ecossistema porque matam demasiados Coelhos e a matança de Águias-reais com o mesmo argumento é igualmente comum! Ora, esses estudos demonstram que no território de caça de um casal de Águias-reais há mais coelhos do que num território de igual dimensão sem Águias-reais! E a explicação é a seguinte: As Águias-reais caçam (matam) Raposas para manterem estáveis as populações de Coelhos! Logo nem a matança de uns, nem de outros, serve o ridículo argumento do controlo de espécies. Mas esta introdução serve para introduzir um momento que tive a oportunidade de fotografar e que mostra, de certa forma, o que disse anteriormente: o medo que a Raposa tem da Águia Real.


A Raposa vagueava no meio do campo de alimentação de Abutres, nos Pirinéus e, sem qualquer medo, ia roubando alguns pedaços de carne e levar às crias que, pelo tempo que demorava a regressar, não se encontravam muito longe deste local. Os Grifos também não se incomodavam muito com a presença da Raposa! Sã convivência!


Bem, nem sempre as coisas eram pacíficas sobretudo quando a carne começava a escassear... Certo, certo, é que a Raposa nunca mostrava medo!



Até que chega uma Águia-real para ver se havia alguma coisa que lhe interessava!

Os Grifos mantiveram-se calmos e serenos como se a Águia não estivesse ali. Para falar verdade o único que não gostou muito da presença da Águia naquele preciso local e sempre de costas foi mesmo o fotógrafo!

Mas e a Raposa que anda por ali a roubar comida para as crias, mais ou menos pacificamente, o que fez quando viu a Águia-real a chegar? Fez uma retirada estratégica e aguardou no mesmo sítio, escondida e a espreitar, durante todo o tempo em que a Águia se manteve por perto.